Make your own free website on Tripod.com
O painel da UDF em mármore e granito
Home
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaico de calçada em Brasília
Braços abertos sobre a Guanabara
O bruxo Bel Borba
Mosaico Zen em Ouro Preto
A obra de Franco Giglio no Brasil, o italiano de Dolceaqua
Os criadores de Brasília em mosaico
A arte musiva de Poty
A justiça na balança
Um logotipo para a UDF
Um painel para a Imprensa
Portinari nas mãos dos italianos
Arte musiva quer dizer Arte do Mosaico

Um logotipo que nos remete a Bruno Giorgi
aeudfparahpg.jpg
Meteoro é o nome da obra de Giorgi à frente do Itamaraty

Um painel para a UDF, a Universidade do Distrito Federal

 

Eis aí um dos trabalhos cuja realização muito me orgulhou no ano de 2003. Trata-se de um painel para a entrada do novo prédio da UDF, o primeiro centro privado de ensino universitário da Capital da República. Seu criador foi o falecido senador Eurico Rezende, político do Espírito Santo, que acreditou em Brasília, investiu na cidade, e hoje o estabelecimento é administrado pelos filhos e parentes que teve e que criou aqui.

Pela UDF já passaram algumas gerações de quadros dirigentes, hoje espalhados por todo o país e também pelo exterior.  O crescimento da instituição deve levar o Ministério da Educação a reconhecê-la como Centro Universitário, o que deve ocorrer no início do ano letivo de 2004, segundo processo em curso. Dessa forma, a sigla deixará de ser AEUDF (Associação de Ensino Universitário do Distrito Federal), como é oficialmente, devendo se tornar, provavelmente, e finalmente, apenas UDF, como, aliás, é conhecida desde que foi criada.

Sendo assim, o painel que executei ficou restrito à reprodução da obra magistral de Bruno Giorgi para o Itamaraty, o Meteoro, guardando os arcos da fachada do Palácio por trás. Um quadro menor, com as letras AEUDF, ficou na parte de baixo, pronto para ser retirado assim que a instituição assumir apenas a sigla UDF, conforme se prevê.

Fiquei muito feliz de fazer este trabalho porque me exigiu muito na avaliação de sombras com diversos tons de mármores brancos. Acho que tive êxito ao conseguir dar a profundidade que desejava na representação do trançado da peça de Bruno Giorgi. Se estivesse vivo, creio que gostaria de ver essa espécie de metalinguagem, em que a linguagem da pedra, mais especificamente do mármore, é usada para representar e falar exatamente do mármore.

Devo revelar que, no caso, usei cinco diferentes tipos de mármores brancos o branco Capixaba, o branco Carrara, o branco Paraná, o branco rosado português e o branco Cristal.  E mais: separei as tesselas, usando-as de forma agrupada, ora em tons mais acinzentados, ora menos acinzentados.

No caso do fundo, o resultado também foi feliz pela expressão dos diversos tons de azul dos granitos baianos, especialmente o Bahia e o Macaúba. Trata-se de um tipo de pedra caríssima, com quase toda a produção dirigida para exportação. Foi difícil conseguí-las, até porque só emprego mármores e granitos com um centímetro de espessura, que já não é fácil de encontrar. Imagina nesses tons especialíssimos! Enfim, o resultado está aí. O painel foi colocado na entrada do novo prédio da UDF, na quadra 903 sul, por trás do Instituto Histórico e Geográfico de Brasília. A nova área começou a funcionar em setembro de 2004.