Make your own free website on Tripod.com
calçadas musivas da Capital da República
Home
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaico de calçada em Brasília
Braços abertos sobre a Guanabara
O bruxo Bel Borba
Mosaico Zen em Ouro Preto
A obra de Franco Giglio no Brasil, o italiano de Dolceaqua
Os criadores de Brasília em mosaico
A arte musiva de Poty
A justiça na balança
Um logotipo para a UDF
Um painel para a Imprensa
Portinari nas mãos dos italianos
Arte musiva quer dizer Arte do Mosaico

O mosaico nas calçadas da Capital da República:

De Fabrício a Galeno

 

fabriciohpg.jpg

 

Erigida em ritmo alucinante nos anos de 1958 a 1960, Brasília não contou com qualquer tipo de decoração nas calçadas de suas ruas no período de construção. As únicas pedras portuguesas que chegaram à cidade foram empregadas na pavimentação da Praça dos Três Poderes e do piso ao redor do Palácio do Planalto e do Supremo Tribunal Federal, sem receber qualquer tratamento ornamental. As pedras eram exclusivamente brancas (calcita).

Assim permanecem ainda hoje, embora tenham passado por completa restauração à época do governo Sarney (1985 a 1989).  Preocupado com a freqüência dos protestos populares na Praça dos Três Poderes, Sarney recomendou ao governador nomeado de Brasília, José Aparecido de Oliveira, a execução de medidas de seguranças na área.

Entre as que foram adotadas, Aparecido providenciou a recolocação das pedras, fortalecendo o traço de cimento para que nunca mais pudessem ser arrancadas do local e arremessadas contra os palácios vizinhos, para alívio do presidente. Mas manteve o calçamento branco, desprezando a tradição decorativa dos portugueses, muito bem reinterpretada no Rio de Janeiro e em quase todo o país, que recomenda a execução de algum tipo de desenho no piso, evitando o caráter inexpressivo do chapeado monocromático.

Longe dos palácios, as calçadas de Brasília foram todas realizadas exclusivamente em argamassa, inclusive a da W-3 Sul, o eixo pioneiro onde fervia a vida urbana nas duas primeiras décadas da cidade. Em 1972, finalmente, a Novacap resolveu realizar o primeiro calçamento com mosaicos decorativos naquela via. Contratou os serviços do arquiteto Fabrício Pedroza, indicado pelo Conselho de Urbanismo e Arquitetura de Brasília.

Fabrício formou-se entre os alunos das primeiras turmas do curso de Arquitetura da Universidade de Brasília, nos anos 60, tendo como professores nomes como Oscar Niemeyer, Athos Bulcão e Alfredo Ceschiatti. Seu projeto de mosaico para a W-3 foi saudado pela imprensa local, bem como pela imprensa do Rio e de São Paulo, que viram na iniciativa uma proposta de humanização da cidade, abrindo suas páginas para publicar matérias amplas com fotos dos desenhos concebidos pelo arquiteto (em Correio Braziliense, O Globo e O Estado de S. Paulo, janeiro de 1972).

O arquiteto está de volta a Brasília, depois de uma vivência de quase duas décadas em países da Ásia e da África, sempre trabalhando com arquitetura.  Ocupa hoje cargo de responsabilidade no Ministério da Cultura, tendo recebido do ministro Gilberto Gil a tarefa de remodelar a arquitetura interior do edifício-sede.

Os pisos concebidos por Fabrício ainda resistem em alguns poucos trechos da Avenida, embora os comerciantes ao longo da via tenham modificado, a bel-prazer, as calçadas localizadas junto às suas lojas, sejam com outros mosaicos de pedra portuguesa sejam com argamassa ou qualquer tipo de revestimento pavimentar.  

Já nos anos 90, a prefeitura de Brazlândia a satélite mais distante do Plano Piloto recorreu aos desenhos de um dos seus moradores mais ilustres, o artista plástico Francisco Galeno, para realizar mosaicos em pedra portuguesa no calçamento de entorno do lago que orna o centro da cidade.

Galeno é piauiense de Parnaíba, onde nasceu nos idos de 1957, vindo com sua família aos dez anos para Brasília na busca de oportunidades melhores. É hoje um nome vitorioso nas artes plásticas da Capital da República, com grande reconhecimento da crítica. E continua vivendo na sua acolhedora Brazlândia, emprestando à vila um pouco de seu prestígio e de seu talento.  

Calçada de Fabrício Pedroza, dos anos 70
fabriciohpg2.jpg
Mosaico de pedra portuguesa: avenida W-3 Sul

Mosaico de pedra portuguesa, calçada de Galeno
calçadadogalenoparatripod.jpg
Francisco Galeno, orgulho de Brazlândia