Make your own free website on Tripod.com
Um mosaico Zen em Ouro Preto
Home
Painéis de Glauco Rodrigues
Mosaico de calçada em Brasília
Braços abertos sobre a Guanabara
O bruxo Bel Borba
Mosaico Zen em Ouro Preto
A obra de Franco Giglio no Brasil, o italiano de Dolceaqua
Os criadores de Brasília em mosaico
A arte musiva de Poty
A justiça na balança
Um logotipo para a UDF
Um painel para a Imprensa
Portinari nas mãos dos italianos
Arte musiva quer dizer Arte do Mosaico

Um mosaico Zen em Ouro Preto

buda21.jpg

Um mosaico Zen do modernista Inimá de Paula

 

Instalado em 1984 nos altos do Morro São Sebastião, na cidade mineira de Ouro Preto, o Templo Zen Pico dos Raios é uma área aberta à prática budista, que desperta a curiosidade de boa parte dos turistas em visita àquela cidade. Funcionava anteriormente como mosteiro, que acabou transferido para a cidade de Lavras Novas, a poucos quilômetros dali, passando a se chamar Mosteiro Zen Serra do Trovão. Em Ouro Preto, as instalações do antigo mosteiro deram lugar ao templo, também aberto para cursos, oficinas e outras atividades, admitindo hospedagens, visitações e doações de simpatizantes e praticantes.

Um desses simpatizantes foi o grande artista mineiro Inimá de Paula, que doou uma obra belíssima realizada em mosaico, retratando a figura de Buda, colocada sobre uma murada de pedra, bem na entrada do templo. Tive a oportunidade feliz de visitar o Templo nos primeiros dias de 2004, quando pude testemunhar a riqueza do trabalho, que é uma expressão diferenciada da inspiração do artista, aluno dileto do artista plástico Gino Severini, que o iniciou, em 1954, na arte do mosaico, conforme a ensinava na Académie de La Grande Chaumière, em Paris.

Inimá tornou-se um mestre em mosaicos, passando a dar aulas na Escola municipal de Belas Artes em Belo Horizonte para um sem número de alunos, dentre os quais é preciso destacar o nome de Carlos Bracher, nascido em 1940 na cidade de Juiz de Fora e radicado, desde 1970, em Ouro Preto ponto de encontro artístico dessa travessia.

A figura de Buda no Templo Zen de Ouro Preto foi realizada com quebra de cerâmicas e azulejos, sendo envolvida com tesselas de mármores brancos, capixaba, cortados manualmente, proporcionando um resultado muito luminoso que não permite a ninguém passar indiferente. É uma obra que guarda certa singularidade no elenco de outras obras em tela deixadas por Inimá, que o situam antes como um paisagista. O elemento comum são as cores, vistosas e fortes como nos pincéis do artista.

Inimá José de Paula nasceu em Itanhomi, pequeno município desmembrado de Caratinga na década de 20. Cedo mudou-se para o Rio de Janeiro, onde fixou-se no bairro de Santa Teresa, conhecido por abrigar ateliês artísticos de qualidade. Crescido no convívio com nomes como Pancetti, Milton Dacosta e Yoshia Takaoka (outro que também iria a Paris tomar aulas de mosaico com Severini), Inimá de Paula parte para o Ceará em meados da década de 40 para fundar a Sociedade Cearense de Belas Artes, ao lado de Aldemir Martins, Antônio Bandeira e outros. Em 52, ganha o prêmio de Viagem ao Exterior uma prática comum até então, concedida aos melhores artistas, e hoje, lamentavelmente, abandonada do Salão Nacional de Belas Artes. Viaja dois anos depois para Paris, onde estuda com Severini não apenas mosaico, mas desenho e pintura mural. Na década de 60 leciona na Escola Municipal de Belas Artes, em Belo Horizonte, e também na Escolinha Guignard. Estabelecido na capital mineira, ali trabalhou até a morte, ocorrida em 1999, tendo legado aos mineiros uma Fundação que leva seu nome, empenhada na catalogação, divulgação e preservação de sua obra.